Newoxygen

Imagem que exemplifica a Liderança, em que o líder puxa o seguidor pela mão numa subida

Liderança: a Habilidade Chave para o seu Sucesso

A liderança é, talvez, a soft skill mais difícil de ser dominada. Contudo, ter esta capacidade desenvolvida determina o êxito ou o fracasso de uma empresa e das relações interpessoais.

É por esse motivo que vale tanto a pena dedicarmo-nos ao seu aprofundamento, estudo e prática diária.

Ser um líder eficaz, em vez de apenas um chefe, pode fazer a diferença entre a sua empresa crescer ou apenas igualar (ou até piorar) os seus resultados.

Esta é uma afirmação forte, bem sabemos.

No decorrer deste artigo procurar-lhe-emos justificar esta afirmação e clarificar alguns conceitos fundamentais para que possa, a partir de hoje, melhorar a forma como lidera na sua empresa e na sua vida pessoal.

E sem mais demoras, comecemos por definir o conceito de liderança.

O que é Liderança?

Como mencionado antes, a liderança é uma soft skill complexa. Por norma, demoram-se vários anos (ou décadas) a aperfeiçoar esta habilidade.

Apesar de essa aprendizagem poder acontecer de forma natural, através da experiência e do feeling, existe forma de a acelerar através do estudo e aplicação prática de princípios simples, porém poderosos.

Segundo John C. Maxwell, referência mundial na área da liderança, a liderança define-se da seguinte forma:

Liderança é influência – nada mais, nada menos.

John Maxwell

Uma afirmação tão simples e tão profunda, que nos leva à pergunta: o que é a influência?

Influência vs manipulação

Façamos uma breve distinção entre a influência (positiva) e a manipulação (negativa).

Maxwell refere-se à influência social, a influência positiva que maximiza os esforços de outros com vista à concretização de um determinado objetivo.

Ambas maximizam os esforços de outros com vista à concretização de um determinado objetivo. A grande diferença é que, no caso da manipulação, esta é totalmente desprovida de ética e tem malícia na sua génese. Já a influência pressupõe que ambas as partes envolvidas beneficiam, ao concretizarem o objetivo em causa.

Um cocktail de soft skills

A liderança é complexa porque depende do desenvolvimento de várias outras competências/inteligências que, usadas em conjunto, formam o bom líder.

São capacidades tais como;

  • Inteligência emocional: capacidade de controlar as próprias emoções;
  • Inteligência interpessoal/social: capacidade de entender e lidar com outras pessoas;
  • Inteligência intrapessoal: conhecimento de nós próprios, dos nossos princípios e valores;
  • Comunicação: capacidade de transmitir a nossa mensagem de forma clara e concisa.

Nas escolas não existe foco no ensino destas capacidades pelo que, de certa forma, é “aceitável” que não sejamos bons líderes assim que terminamos o nosso percurso académico. No entanto, continuar maus líderes (apenas chefes) só depende de nós.

Treine liderança em casa

A nossa casa é o berço da liderança
A nossa casa é também o berço da liderança.

É hábito ouvirmos que a verdadeira educação se dá em casa. É verdade, tal como é verdade que a pessoa que somos em casa é a pessoa que somos cá fora. É lá que se criam os bons ou os maus hábitos. É em casa que se constrói o futuro das nações e do mundo.

No artigo anterior falámos-lhe sobre 3 estratégias fáceis para aumentar a sua produtividade. Qual a melhor forma para começar a aplicar essas estratégias? Em casa!

Da mesma forma, e ainda mais importante face ao tema em questão, sugerimos que faça a sua autoanálise e que verifique se já aplica os princípios de liderança que vamos abordar dentro na sua casa, com a sua família.

O excesso de confiança que sentimos em casa faz com que nos expressemos muitas vezes de forma incorreta para aqueles de quem mais gostamos.

Ora, se somos assim com quem mais gostamos, porque seremos melhores fora de casa, com quem “não nos é nada”? Não deveria ser exatamente o oposto?

Em suma, desenvolva a sua liderança em casa. É a empresa mais pequena que todos gerimos e é o melhor lugar para começar.

Exemplo do mundo laboral

Pensemos agora num exemplo do mundo do trabalho. Imaginemos que um líder precisa de pedir a um colaborador seu que refaça uma tarefa mal executada. E vamos assumir que foi mesmo muito mal executada, a ponto de dar vontade a qualquer chefia de “descompor” o colaborador em causa.

Antes de tudo, o líder deverá controlar as suas emoções. Depois, sendo conhecedor da personalidade da outra pessoa, deverá adequar a sua comunicação de forma a efetuar a correção. Deverá fazê-lo de forma a não ferir o colaborador e a deixá-lo com vontade de retomar essa tarefa e de a executar novamente, de forma correta e diligente.

Se dos 10 subtópicos da tarefa o colaborador fez 9 deles mal, deverá começar por elogiá-lo no que fez bem e de forma sincera. Depois, efetuar a correção necessária e pedir para refazer o trabalho. Por fim, deverá demonstrar a sua confiança na pessoa e, de seguida, agradecer-lhe o esforço já feito.

Este método assemelha-se a uma sandwich. O primeiro elogio é a parte de baixo do pão, o começo. A correção é o recheio. E por fim, o último elogio/agradecimento é a última fatia do pão que fecha a sandes.

Método da sandwich

  1. Elogio sincero: o que pode ser, simplesmente, o esforço do colaborador;
  2. Efetuar a correção necessária;
  3. Agradecimento e/ou voto de confiança.

Acredite, este colaborador quererá corresponder às expectativas que o líder depositou nele! E mesmo que refazendo a tarefa, esta não saia a 100%, se se constatar que houve esforço por parte do colaborador, o trabalho do líder está a ser bem feito.

Esse colaborador irá melhorar as suas capacidades gradualmente e poderá tornar-se num dos melhores colaboradores da empresa.

Se, por outro lado, se constatar que não houve esforço e que não houve uma tentativa séria de corresponder ao voto de confiança que lhe foi depositado, então esse colaborador não deverá permanecer na empresa. Simples assim.

Algumas falhas comuns de liderança em situações como esta, pode ser:

  • Usar o tom de voz inadequado: por exemplo arrogante (líder) ou desafiador (colaborador);
  • Insultar/maltratar o outro;
  • Falar de forma autoritária e ter uma postura inflexível;
  • Não fazer perguntas ao outro: para saber porque o trabalho saiu mal feito desta vez (líder) ou o que poderia ter feito de forma diferente (colaborador);
  • Não saber/querer escutar.

A cortesia e o respeito absoluto pelo outro imperam, quando o tema é liderança.

Como desenvolver a Liderança?

Antes de entrarmos nos 5 níveis da liderança e nas características de um líder de cada nível, é vital fazermos uma distinção.

Muitas pessoas pensam que para se tornarem bons líderes têm de nascer com essa capacidade. Que têm que nascer líderes natos. Que precisam de ter um dom especial.

Na verdade, e como veremos adiante, o que precisa para desenvolver a sua liderança são apenas algumas características:

  • Estar disposto a mudar: aceitar que precisa de melhorar o seu nível de liderança é o primeiro passo;
  • Aceitar que é algo muito difícil de dominar e que vai levar tempo;
  • Ser resiliente: para se manter sempre neste processo evolutivo apesar dos obstáculos;
  • Uma enorme vontade de aprender e evoluir;
  • Um mentor.

Tenho isso tudo, mas como encontro o mentor?

Felizmente vivemos numa Era em que a maior parte da informação está à distância de uns cliques. E a beleza disso é que podemos encontrar a informação dos melhores professores do mundo rapidamente através de livros, vídeos, cursos online, entre muitos outros meios.

O mentor de liderança que lhe recomendamos é, sem dúvida, John C. Maxwell. Se puder leia todos os livros dele. Aplique 1 deles a 100% e será um(a) excelente líder.

Os 5 Níveis de Liderança de John Maxwell

Estes níveis funcionam de forma hierárquica e dependente, ou seja, para se prosseguir para o nível seguinte é necessário adquirir e usar as competências do nível anterior.

Nível #1: Posição

Este é o nível mais baixo de liderança. O líder por posição é aquele que é convidado para/colocado numa posição de liderança e cuja influência advém apenas do cargo que tem. É o primeiro nível pelo qual todos os líderes passam.

Neste caso quem segue o líder só o faz porque a isso é obrigado. Como diz Maxwell, a posição é um mau substituto da influência. Alguém que faz uso da sua posição para que o sigam poderá ser um chefe, mas nunca um líder.

Poderá ter subordinados, mas nunca terá uma equipa. Quando um líder por posição pede um esforço extra ou tempo, é raro consegui-lo.

Estes líderes também têm a tendência para trabalhar mal com voluntários, pessoas jovens e pessoas altamente qualificadas. Isto acontece porque o líder de posição não tem influência e esse tipo de pessoas tendem a ser mais independentes.

Já o nível #2 é o nível da…

Nível #2: Permissão

Este é o nível que se baseia totalmente nas relações. Neste nível as pessoas seguem o líder porque querem.

Um líder de nível 2 gosta e preocupa-se genuinamente com as pessoas, trata-as como seres humanos de valor e isso faz com que desenvolva influência.

É possível gostar das pessoas sem as liderar, mas é impossível liderar sem gostar das pessoas.

Do livro Os 5 Níveis da Liderança de John C. Maxwell

A prioridade do líder neste nível, ao contrário do anterior, não é manter a sua posição. É conhecer as pessoas que tem a seu cargo e descobrir a melhor forma de lidar com elas. Conhecer as suas personalidades e um pouco da sua vida pessoal.

Neste nível o líder descobre quem são as pessoas que trabalham para ele. Por outro lado, as pessoas veem o lado humano do líder e daí podem surgir relações sólidas e duradouras.

Nível #3: Produção

Um líder de nível 3 é aquele que, além de criar um ambiente agradável, também lidera pelo exemplo.

Por liderar pelo exemplo entenda-se que é um líder produtivo, um líder que gera resultados para a empresa ou organização.

Neste nível as pessoas seguem o líder por gostarem dele e também pela credibilidade e influência que este ganha ao dar o exemplo a todos. As pessoas seguem-no pelo que ele faz pela organização.

Nível #4: Desenvolvimento Pessoal

Este é o nível em que o líder se torna verdadeiramente poderoso. Poderoso porque amplia o poder dos outros.

Os líderes de nível 4 usam a sua posição, relações e influência para capacitar os seus seguidores de forma a que se tornem também líderes.

Este é o nível da duplicação, em que pelas palavras de Maxwell, o líder se reproduz.

Um dos sinais evidentes de uma liderança de nível 4 é o trabalho em equipa atingir um nível muito elevado. Isto acontece porque ao investir nas pessoas se aprofundam as relações, fazendo com que todas se conheçam melhor, aumentando assim a confiança e a lealdade.

Outro sinal evidente é o aumento do desempenho da equipa, que acontece por haver mais líderes na equipa, que ajudam o todo a melhorar.

As pessoas seguem o líder de nível 4 pelo que este fez por elas a nível pessoal. Neste nível criam-se relações fortes com as pessoas, que podem durar a vida inteira.

Nível #5: Pináculo

Este é o nível mais elevado e difícil de atingir, reservado apenas aos que possuem um enorme talento. Na prática, um líder de nível 5 forma líderes de nível 4.

Formar seguidores para que eles próprios liderem é difícil (nível 4). É por isso que a maioria dos líderes não o faz, porque é muito mais difícil do que “apenas” liderar seguidores (níveis 2 e 3).

Agora, formar alguém até que essa pessoa se sinta capaz e disposta a formar outros líderes, esta sim é a capacidade mais difícil de liderança (nível 5).

Contudo, as vantagens de o fazer são:

  • Desenvolver organizações de nível 5: extremamente coesas e de alta performance;
  • Criar oportunidades que outros líderes não criam: todos sabem que existe progressão constante na empresa, o que gera mais oportunidades para todos os envolvidos;
  • Deixar um legado: fazendo o seu trabalho transcender a sua organização e setor, deixando as sementes para as gerações futuras.

As pessoas seguem o líder de nível 5 pela pessoa que é e por aquilo que representa.

A sua forma de liderança ganha uma “boa reputação” e, como dito anteriormente, são líderes que transcendem a sua posição e até mesmo o seu setor/indústria.

Se pensarmos em todos os grandes líderes da humanidade, todos eles deixaram um legado que vive até aos dias de hoje e que continuará a viver. Pessoas como Martin Luther King Jr, Winston Churchill, Abraham Lincoln, Madre Teresa de Calcutá, Mahatma Ghandi, entre muitos, muitos outros.

Funcionam como as camadas da cebola

Estes 5 níveis funcionam como se fossem camadas de uma cebola. Quando começa, o líder de posição pode ser comparado com o núcleo da cebola. À medida que se vai desenvolvendo vai acrescentando camadas de aperfeiçoamento, mantendo sempre as anteriores.

Desta forma, estes níveis de liderança são uma construção contínua, em que os novos níveis se somam sempre aos anteriores.

Diferentes pessoas, diferentes níveis de liderança

Os níveis de liderança medem-se pela relação do líder com cada pessoa. O líder pode estar em todos os 5 níveis de liderança com 5 elementos distintos da sua equipa.

Alguém no seu primeiro dia de trabalho reconhecerá ao líder apenas o nível 1, o da posição.

Outra pode já ter sido muito ajudada a liderar e colocará o líder no nível 4.

Os níveis estão em constante mutação e há que fazer um esforço constante para os manter e fazer evoluir, com cada indivíduo.

A título de exemplo, podemos ter tido atitudes impecáveis com alguém durante toda a vida, mas basta uma atitude errada para baixarmos imediatamente nos níveis de liderança com essa pessoa. O conhecido “passar de bestial a besta”.

Assim, manter o nível de liderança requer resiliência, perícia, conhecimento, maturidade e uma enorme capacidade de adaptação.

Mais influência, mais fácil liderar

À medida que for progredindo nos vários níveis de liderança será cada vez mais fácil liderar. Isto sucede porque aumenta a sua influência e, por conseguinte, é mais fácil levar outros a seguir as suas indicações.

Escalada lenta, descida rápida

Construir demora sempre muito mais do que destruir. Algo reconfortante é que os níveis mais baixos funcionam como uma rede de proteção para os níveis para elevados.

Por exemplo, se tiver um nível 3 de liderança e tomar uma má decisão que prejudique os resultados da empresa, o facto de ter boas relações – nível 2 – poderá evitar que seja despedido.

É impossível escalar os níveis de liderança sozinho

Sem equipa para liderar não há liderança. É meio óbvio, mas é uma ideia que merece a pena aprofundar.

Liderança é aceitar as pessoas onde elas estão, e depois fazê-las chegar a algum lado.”

C. W. Perry

Para ter sucesso como líder precisa de ajudar os outros a acompanhá-lo, enquanto vai escalando os vários níveis.

O início (conclusão)

Concluindo, o desenvolvimento da liderança é um misto de experiência com intencionalidade. E é um processo que não tem fim.

Desenvolvê-la fará total diferença no seu progresso pessoal e também no crescimento da sua empresa/organização.

Há que tentar e errar muitas vezes e adquirir experiência “no terreno”. Porém, é necessária também a intencionalidade e o estudo dos princípios de liderança, para que consiga aplicar melhorias no seu dia-a-dia e escalar os vários níveis.

Estudar apenas os princípios não chega. Tal como apenas a experiência, sem o conhecimento, não é suficiente.

Gostaríamos que fosse possível dar-lhe uma fórmula mais simples para começar a desenvolver a sua liderança.

O plano inicial

Sendo uma área tão vasta e complexa podemos apenas fazer-lhe uma sugestão de plano inicial:

  1. Identifique o nível de liderança em que está com cada pessoa da sua equipa;
  2. De acordo com o nível predominante, procure analisar o que lhe falta desenvolver a nível de competências:
    • Liste essas características em falta.
    • Se quiser aprofundar, liste para cada pessoa ações que pode tomar para melhorar o seu nível de liderança.
  3. Trace um plano breve e escreva, de forma clara, como procurará desenvolver essas competências em falta;
  4. Aplique o que planeou e analise os resultados;
  5. Aprofunde o seu estudo, aprendendo mais sobre liderança;
  6. Rinse & repeat.

Como em tudo na vida, apenas lhe podemos dar uma ajuda sobre o que fazer. A parte da ação está 100% nas suas mãos.

Sendo este um artigo um pouco mais longo, pela complexidade do tema, gostaríamos de lhe agradecer pela sua atenção se chegou até aqui.

Em nome da equipa Newoxygen, desejamos-lhe os maiores sucessos e esperamos que este artigo possa ser uma catapulta para o seu desenvolvimento enquanto líder!

E se gostou deste conteúdo, pedimos que o compartilhe com alguém que saiba que retirará daqui valor.

Muito obrigado e até breve!

Bibliografia:

Os 5 Níveis de Liderança – John C. Maxwell

Imagens:

Interior de casa: design por pikisuperstar.

Foto de capa: design base por freepik.

2 thoughts on “Liderança: a Habilidade Chave para o seu Sucesso”

  1. Manuel Alberto Felgueiras

    Excelente informação importante para o nosso dia a dia de produção profissional competitiva. Ê um tema importante que todos devemos ter presente em todas as relações-saude-situação-estimulo-felecidade. Eu próprio, por outras formações que tive, assim, o tento fazer sempre no meu caminho evolutivo, tentado, embora não fácil, equilibrar o mundo profissional com o familiar e que a maioria das vezes não sou reconhecido bem compensado. nestes dois campos.. Muito obrigado pelas dicas!

Escreva um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *